quarta-feira, 5 de maio de 2010

Retórica e Metáfora


A retórica define-se como a arte de discursar, de ser elequoente, de saber persuadir o público.
Na Grécia antiga, a retórica englobava não só a arte de bem falar - elequoência - mas também a arte de discursar e das técnicas de argumentação.
Por seu lado, a metáfora é uma figura de estilo que estabelece uma comparação entre dois termos, sem o uso de um elemento conector.
Aristóteles foi o primeiro a abordar o tema da metáfora, identificando-a como o termo genérico que abarca todas as figuras retóricas em geral. Por conseguinte, ao falar de metáfora, refere-se simultaneamente, e em sentido lato, a toda a actividade retórica, sendo a metáfora o elemento essencial de embelezamento do discurso.

Na aula de PMI foi sugerida aos alunos a leitura de um texto retirado do livro "Discourse, Epistemology and Organization: A Discursive Footnote" dos autores Tom Keenoy, Cliff Oswick e David Grant.
Neste excerto os autores sugerem a Máfia como uma metáfora para a Sicília (ilha onde surgiu a máfia) e por sua vez esta como uma metáfora para Itália e por fim esta como uma metáfora para qualquer Organização contemporânea.
Este testo sublinha também a importância do discurso e da palavra dada na máfia enquanto Organização possuidora de um conjunto de protocolos bem estabelecidos.
A elequência do discurso e o poder de persuasão são elementos essencias para a validade dos contractos verbais característicos deste tipo de Organização que vive à sombra da Lei.


O MEU TAC SOBRE RETÓRICA E METÁFORA

SUMÁRIO
Este trabalho tem como principal objectivo o desenvolvimento da capacidade escrita, nomeadamente no âmbito do texto argumentativo, e a sua integração com os conhecimentos adquiridos nas aulas de PMI sobre crítica de imagem na construção de um símbolo como veículo transmissor de uma ideia ou de um conjunto de ideias.
A partir do texto em análise, “Discourse, Epistemology and Organization: A Discursive Footnote” apresentado nas aulas, será elaborada uma listagem das principais características da Máfia como organização, e apresentado um símbolo que a represente, e que esteja de algum modo ligado a essas características.

1. LISTAR AS CARACTERÍSTICAS DA MÁFIA

A máfia, vista como uma organização, caracteriza-se pela existência de uma hierarquia definida, ainda que algo obscura e mutável no tempo, sendo que o poder é distribuído de acordo com a posição na hierarquia.
O dom da palavra é também de extrema importância pois não há contractos legais em papel, apenas acordos verbais, pelo que os membros têm que primar pela honestidade de modo a manterem a sua honra e o seu lugar na organização.
Vários outros aspectos são enumerados no texto: as alcunhas dadas a cada membro, os protocolos bem definidos, como é o do beijo como modo de cumprimento entre os homens da família mafiosa, as mulheres vestidas de preto, o respeito e obediência prestados aos elementos mais altos da hierarquia, entre outros.
A religião está também sempre presente no seio da máfia. O respeito pelos costumes religiosos e pelos princípios da igreja Católica é muitas vezes evidente; por outro lado, a corrupção e a morte fazem parte da actividade desta organização como meios para atingir os fins, pelo que a religiosidade presente poderá ser vista como um meio de redenção perante as atrocidades cometidas.



2. IMAGINAR E APRESENTAR UM SÍMBOLO PARA A MÁFIA

Camaleão


3. ESCLARECER, DETALHADAMENTE, A ESCOLHA DO SÍMBOLO, EXPLICITANDO A OPÇÃO.
O símbolo escolhido, o camaleão representa a capacidade que a máfia tem em camuflar-se sob várias formas, tentando passar despercebida na sociedade e actuando em diversos quadrantes da sociedade de uma forma discreta e dissimulada.
Devido à sua capacidade de se camuflar por detrás de várias “capas”, a máfia, tal como o camaleão, tem assim mais possibilidades de passar despercebida perante o “inimigo”, escapando deste modo ilesa nas suas acções. Tal como nos diz o texto “it is a powerfully structured way of life of extraordinary durability with a capacity to reinvent itself in response to changes in ‘the market’”.
A figura do camaleão transmite-nos, deste modo, a capacidade de adaptação da máfia às circunstâncias e ao ambiente (social, económico, político, jurídico, etc…) que a rodeiam.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

• Keenoy, Tom; Oswick, Cliff & Grant, David 2000. Discourse, Epistemology and Organization: A Discursive Footnote. King’s College, University of London (UK) and University of Sydney (Australia), Sage Publications: 542-544.

• Wikipedia - http://en.wikipedia.org/wiki/Mafia


COMENTÁRIOS ACERCA DO TRABALHO

Segundo os comentários feitos pela Prof. Dra. Eva Dias de Oliveira acerca do meu trabalho, a ideia do camaleão como simbolo representativo da máfia é uma ideia plausível e apropriada, no entanto a minha análise carece de alguma profundidade e foi pouco trabalhada.
Confesso, no entanto, que teria que ter pesquisado bastante mais acerca da máfia para poder fundamentar melhor a minha escolha e a minha análise acerca do simbolismo que o camaleão pode ter nesta matéria.

Sem comentários:

Enviar um comentário